segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Também sou frágil


" Essa insegurança é fruto de dar uma importância demasiada para a opinião dos outros e anular a minha, como se eu nunca pudesse ter razão. E nossa, como eu fico mal. É um desespero que bate no coração, uma agonia. É muito difícil você colocar nas suas costas o fardo de sempre ser a melhor em tudo, ainda mais quando as coisas não dão certo. 
Enfim, eu vejo em você aquilo que não sou, sabe, essa independência de não ligar para ninguém e não viver para ninguém, a não ser para você mesma. Se você pudesse me dizer qual a fórmula, como você conseguiu ficar assim, eu agradeceria. Na verdade, eu já agradeço por ter me escutado." Confissão de uma garota no Desabafa Aí... - A quem irei chamar de Nanda 

 Nossa, confesso que quando li essa mensagem me senti feliz e um pouco incomodada. Feliz por saber que você ficou mais aliviada por ter me escrito e por ter me procurado para desabafar. E incomodada por uma coisa, talvez eu passe uma imagem meio equivocada de mim mesma, mas vou deixar isso mais claro no decorrer do texto.
 Insegurança é muito normal ainda mais na nossa idade. É cobrança atrás de cobrança, é correr atrás do futuro sem saber se é aquilo que realmente queremos, é muito complicado. E para piorar as pessoas próximas a nós não costumam ajudar muito, até porque elas também possuem seus próprios problemas e inseguranças, então não coloque suas expectativas de ajuda nos outros, são os raros os que nós podemos sempre contar.
E Nanda, você não tem que ser perfeita. Se você está pensando assim eu acho melhor começar a mudar esse conceito. As pessoas não são perfeitas, nenhuma é, não queira ser. É correr atrás de algo que não existe, comece aceitando os seus defeitos.
Outra coisa, eu me importo com que os outros pensam, confesso! Principalmente os meus pais, cara eu faço coisas não porque eu quero mas porque eu sei que eles vão ficar felizes. E só de saber que eu posso proporcionar um pouco de orgulho e alegria para eles, eu me corto e deixo alguns dos meus planos para depois. Mas tudo bem, essa é uma escolha minha.
Quando você escreveu que queria a minha fórmula para ser independente que não liga para ninguém, que vivo só para mim, me incomodou um pouco. É que eu não sou assim o tempo todo, eu também sinto o que você sente. Nossa, tem dia que eu simplesmente não tenho forças nem para comer e fico super mal, e sempre tem aquela pessoa que você acha que podia contar mas que vira as costas quando você mais precisa, só para piorar a situação. Aí eu sofro, fico mal, desabafo com a minha mãe, vou até o fundo do poço. E acho que é isso que me ajuda, eu me permito sofrer, não tenho medo de sentir medo. E eu tenho um amigão que me dá a maior força. Talvez você não acredite nEle, eu  mesma nunca o vi mas sinto a presença dEle não raras as vezes. Ele tá aqui do meu lado e vai estar do seu Nanda, quando você estiver lendo esse texto. Eu prefiro chamar Ele de amigo ou amor. Mas chama como você preferir. É ele que me ajuda quando eu tô mal, ele me mostra que apesar de tudo a vida é boa e com a ajuda dEle eu posso fazer muitas coisas.
Aí eu lavo o rosto, como alguma coisa, me arrumo e saio com a maior cara de dane-se vocês. Na verdade isso é só uma ferida, a força e o "vou correr atrás daquilo que acredito" são as cicatrizes dos medos, inseguranças e dias tristes que passei. Além disso, um dia você vai perceber que suas ideias são importantes e que ninguém pode sufocar aquilo que você acredita. Não crie os outros como melhores, você é importante, acredite nisso.
O que eu quero dizer é que inevitável sentir-se assim presa pela opinião alheia, mas como você encara isso essa realidade é o que a difere dos demais. Nanda, você vai ter que abrir mão de algumas coisas, você não pode e não deve viver só para realizar os seus desejos, você vai sofrer, vai chorar, vai se acabar. Mas depois encontrará sua próprias válvulas de escape, eu não posso dizer quais são isso é com você. O processo de descoberta é que vai te ajudar, que vai fazer você resistente. E lembre-se daquela ajudinha extra que eu te falei, para mim funciona, e tenho certeza que para você também vai.
Menina, vá para guerra, não fuja da dor, conte com um Amigo especial e crie suas cicatrizes para mostrar a todos que você sobreviveu e que dias melhores estão chegando. E o mais importante, viva aquilo que você acredita. Não adianta querer ser forte, se você não acredita que é. Quando você acredita os outros também acreditam.
Eu acredito em mim, e acredito também na Nanda.

Um grande abraço da senhorita, que também é frágil e cheia de cicatrizes. E precisando você sabe onde me encontrar.

Quer desabafar também? Entre aqui é me mande uma mensagem

2 comentários:

  1. apenas verdades o que você falou.
    eu mesmo. sou bastante frágil, mas poucas pessoas entendem isso. =/ sofro muito.
    mas é a vida.
    adorei o texto.

    bjs

    http://www.amodernpinup.com/

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por me ajudar, mesmo de longe, mesmo sem estar aqui.. (E essa é mais uma parecida com a ''Nanda'')

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário.
Só avisando que responderei a todos os comentários aqui mesmo.
E se você quiser que eu visite o seu blog, por favor avise.