terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Hodgson Burnett em Dose Dupla

Eu tinha sete anos quando minha mãe trouxe para casa uma fitas cassetes com alguns filmes. Lembro até hoje quando ela falou que tinha trazido dois filmes especialmente para mim, "A Princesinha" e o "Jardim Secreto". Eu fiquei encantada com tudo, com os ambientes, as personagens, e desde então aquelas duas histórias marcaram minha infância.
Quando encontrei as versões de bolso dos clássicos na livraria Cultura entrei praticamente em transe, era bom demais para ser verdade! Pode até parecer besteria para algumas pessoas mas essas duas histórias de Hodgson Burnett são muito importantes para mim. Aprendi muito com elas, e quando eu tiver uma filha com toda certeza vou ler para ela também. 

O Jardim Secreto
Após a morte dos pais Mary muda-se para a mansão de seu rico tio. Mal-humorada e mimada a menina logo encontra resistência por parte dos empregados da casa. Sozinha e entediada Mary decidi explorar a grande propriedade do tio e acaba por descobrir um jardim trancafiado. A partir dessa descoberta a magia do jardim invade a vida de Mary provocando várias descobertas e aventuras.

Mary tem tudo para ser odiada, mas isso só à primeira vista. A órfã ao decorrer da trama consegue conquistar o leitor exatamente pelas mudanças que vive após a descoberta do jardim. Fico fascinada em como Frances Burnett narra a magia de estar ao ar livre descobrindo os segredos da natureza. Mary é o resultado disso. A convivência com a natureza e a lida com a terra transformam a garota e a todos que moram na mansão do tio. Segredos são revelados, amizades construídas e o é amor restaurado à partir de um único jardim.

A Princesinha
Nesse livro Frances Burnett narra a história de Sara Crewe, uma menina rica, filha de um oficial do exército, que por conta da convocação do pai muda-se da Índia para um internato feminino em Londres. 
Sara não consegue adaptar-se às rígidas regras do internato. Ela acredita que todas as meninas são princesas e logo conquista a simpatia das colegas exatamente pelo valor que deposita em cada uma delas. Só que tudo muda com a terrível notícia da morte de seu pai. Sem parentes ou responsáveis Sara vê-se sozinha no mundo. Obrigada a trabalhar como empregada da escola ela perde todas as regalias e direitos, passando fome e frio. Mesmo com todas as dificuldades Sara não perde o espírito nobre e inteligente, conseguindo viver como uma verdadeira princesa. 

Sara é uma das minhas heroínas favoritas da literatura! Sempre achei ela uma feminista mirim. Mesmo com tantos problemas e sozinha no mundo ela consegue manter a percepção favorável das coisas e mostra que com firmeza de caráter e nobreza de espírito é mais fácil superar as aflições. Para Sara todas as meninas e mulheres do mundo eram princesas e o que as caracterizam como tais não são os castelos em que moram, as roupas caras que vestem ou a beleza que possuem. Ser uma princesa tem mais a ver com o que somos por dentro. Princesas de verdade são aquelas mulheres com valores e nobreza de espírito que conseguem transformar suas dificuldades em algo bom. 


Alguém já leu o livro ou assistiu ao filme? Quem quiser comentar ou palpitar sinta-se à vontade

Um grande abraço para todos






6 comentários:

  1. Sabe que estou há tempos procurando os dois filmes? Mas não consigo achar! Os livros ainda não tive a oportunidade de ler, mas espero que aconteça logo. Os filmes fizeram uma parte super importante da minha infância, junto com aquele das duas meninas que veem fadas, sabe? Eu não lembro mais o nome desse, nem nunca mais vi em nenhum lugar, mas esses três filmes me fizeram chorar e agoniar, quando encontrá-los vou pular de alegria!

    Beijos, Lu!
    http://gimmeflowers.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nome do filme não é "Fairy Tale: A True Story"? Daquelas duas meninas que fotografaram fadas de papel no quintal de casa e que o caso ficou conhecido como O Caso das Fadas de Cottingley? Não sei se é esse mesmo hahaha

      Excluir
  2. Ai *------------* sabe, eu amo esse blog?
    Eu assisti a esses filmes quando era criança, mais de uma vez, e lembro até hoje de algumas cenas.
    Não sei como, mas o livro "o jardim secreto" apareceu na minha casa. e eu lembro de ler mais de uma vez também, e me apaixonei pela história. é tão sensível e bonito, ver como ao mesmo tempo que o jardim cresce, vai levando vida para as crianças *-*
    Comprei o livro "Little Princess" em uma promoção, mas até agora não li... acho que ler esse post me incentivou a finalmente tirá-lo da lista de espera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Isa!
      A Frances realmente escreve muito bem, ela tem esse poder de nos comover. Dizem que ela é comparada com Jane Austen, e até que a escrita lembra um pouco mesmo.
      Leia sim! Você vai adorar, se já gostou do Jardim Secreto... Eu apoio a sua leitura ;)

      Excluir
  3. A Princesinha é um dos meus filmes favoritos, gosto demais! Mas ainda não li o livro não.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Aaawn esses filmes marcaram minha infancia mtoo! junto com alguns outros, mas com certeza O Jardim Secreto é o mais marcante!! um dia desses passou no sbt, e eu louca corri pra ver, adorei pela 172812 vez, eu costumo pensar que a Mary foi mesmo meu primeiro amor rsrs pq marcou mto msm!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário.
Só avisando que responderei a todos os comentários aqui mesmo.
E se você quiser que eu visite o seu blog, por favor avise.