domingo, 11 de maio de 2014

Dona Loide cheia de graça

Oi mãe. Sabia que eu nunca havia escrito para você aqui no blog? Pois é! 
Tudo bem que eu sei que você não liga muito para essas coisas, mas mesmo assim, infelizmente, ou felizmente, esse blog faz parte de mim e acho que está na hora de você deixar sua marquinha por aqui.

"Dia das mães é todo dia", e você está certa quando diz isso, essa data todo mundo sabe que é jogada de marketing para movimentar o comércio despertando desejos consumistas nas pessoas, empurrando goela abaixo promoções e coisas que as mães nem sempre precisam. Mas ok, mesmo que todos os dias sejam dia das mães vou aproveitar esse segundo domingo de maio para te escrever.
Escrevo porque sou melhor nisso do que que falando, e olha que eu tagarelo um bocado! E tenho certeza que isso é influência sua, obrigada por me dar uma montanha de livros e resenhas para fazer, se não fosse isso eu estaria sem salvação!

Mãe meu amor é teu, meu coração é teu. E você sabe disso. No dia em que nasci o médico te assustou dizendo que eu tinha CIV e desde então você tem cuidado do meu coração para que eu nunca tivesse um piripaco! Lembra das nossas intermináveis horas na fila do médico, bateria de exames e a tal da cirurgia que nunca saiu? Como odiava tudo aquilo! Mas agora percebo que você fazia de tudo para que nada de mal me acontecesse. Lembro que você me colocava num ônibus de madrugada para irmos a São Paulo e depois de horas na fila do hospital e daqueles exames chatos a gente ia sacolar na 25 de março! Essa era a melhor parte! Você me levava para aquela loja japinha que tinha um milhão de brinquedos legais, me empurrava pelo metrô enquanto aquela avalanche de gente entrava nos vagões apertados, ai que sufoco! E também tinha as lojas de tecidos, um oceanos de cores e texturas, você me deixava escolher um tecido bonito para fazer um vestido, comprava uma barbie nova, e depois de rodarmos aquelas ruas fétidas pegávamos o caminho da roça (literalmente). Ah, é tão mais legal bater perna em São Paulo com você. A gente sabe como se divertir, não acha? 
Adivinha do que lembrei agora? De nós duas no municipal fazendo degustação de queijos e geleias, aproveitando cada banquinha do mercado que oferecia amostras grátis, hahahaha, você tem a cara de pau que eu não consigo ter, por isso nos completamos! 
Enfim, não era sobre isso que estava falando. Onde é que eu estava? Ah sim! 
Nunca entendi sua preocupação com o CIV, um buraquinho entre as câmaras do coração ao meu parecer não é um problema tão sério assim, e você sabe que nunca tive medo de bater as botas. Mas você sempre tão zelosa ficou anos me colocando deitada na cama enquanto recostava sua cabeça em meu peito para tentar ouvir a batida chiada que meu coração provoca por conta do buraco. Como se você pudesse ouvir se havia algo de errado com ele! Sempre achei graça. Mas também achava lindo, achava lindo como você cuidava de mim, como se preocupava, e mesmo não sendo médica me examinava procurando ajudar. 
Você tem razão, minha paixão por corações nasceu com você. Amo ouvir o som das batidas dos corações das pessoas porque sei que quando faço isso me conecto a elas, da mesma maneira como você fazia comigo. Naquele instante era só eu e você, o silêncio lá fora e a batida sussurante e quente dentro de nós. 
Podem falar o que quiserem, podem dar o diagnostico que for! Para mim esse buraquinho só existe porque uma parte minha ficou em você. Esse pedaço que falta é teu. Sempre estarei conectada a você, minha melhor amiga, o exemplo de mãe que um dia quero me tornar, a dona Loide cheia das graças, cheia dos amores, cheia da fé. Enquanto viver serei eternamente grata por tudo que você fez por mim.
Mãe eu te amo ao infinito e além! 



3 comentários:

  1. Poxa! Que emocionante menina! Confesso que achei sua história muito bonita.

    jj-jovejornalista.com

    ResponderExcluir
  2. Então há um buraquinho em seu coração porque uma parte dele ficou em sua mãe. Que fofo, garota! Gostei muito de sua homenagem.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário.
Só avisando que responderei a todos os comentários aqui mesmo.
E se você quiser que eu visite o seu blog, por favor avise.