segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Joguei tudo no lixo para abraçar Cristo e ser abraçada por Ele





Paulo era um desses religiosos roxos. Israelita da elite, cumpridor rigoroso e devoto da lei. Tão devoto que foi capaz de perseguir e condenar os seguidores de um tal de Jesus que havia ousado dizer ser o Messias. Em nome de sua religião ele tomou parte daquilo que era certo, na sua opinião e de suas leis, e perseguiu o que considerava um estorvo. Paulo fez de tudo para subjugar e destruir aquilo que não se encaixava em seu julgamento. E como sabemos ele acabou levando uma boa lição de Deus que o fez ver que ele era só um religiosinho metido a besta, que estava na hora de viver pelo amor e menos pelas regras de uma denominação.

Deus não precisa de uma religião para mostrar sua glória. Ele não precisa de uma denominação para manter vivo aquilo que pagou na cruz. Paulo percebeu isso e escreveu em Filipenses um dos capítulos que me fizeram ver que religião não salva. Que um nome registrado em uma instituição não é nada comparado à vida plena que posso ter ao dirigir-me diretamente ao dono do universo.

Em Filipenses 3 ele começa dizendo que é preciso tomar cuidado com esses religiosos moralistas, eles são fanáticos e não percebem a real graça de Cristo. Paulo diz que ele também era assim, um fanático extremista e logo em seguida escreveu uma das minhas partes favoritas:

“ As credenciais que eles andam exibindo por aí como algo especial, eu rasgo e jogo no lixo, com todo o resto que eu costumava julgar importante. Por quê? Por causa de Cristo. Sim, todas as coisas que um dia considerei importantes nada mais valem na minha vida. Comparado com o alto privilégio de conhecer Cristo Jesus, meu Senhor, em primeira mão, tudo o mais é insignificante – esterco. Joguei tudo no lixo para abraçar Cristo e ser abraçado por ele. Não me interessa a justiça inferior e insignificante que se baseia na observância de uma lista de regras, quando posso desfrutar aquela que é o resultado de confiar em Cristo – a justiça de Deus. Desisti daquelas coisas inferiores para que pudesse conhecer Cristo pessoalmente, experimentar o poder de sua ressurreição, ser companheiro de seus sofrimento e ir com ele até a morte”  Filipenses 3:7-11 (Tradução A Mensagem).

Esse trecho, hoje, é uma das bases para fortalecer a escolha mais importante da minha vida. Já faz um bom tempo que Deus me deu uma cutucada e assim como Paulo, percebi que eu precisava mudar minhas concepções do que é viver uma vida com Cristo. Hoje vivo com a liberdade de dizer que a única coisa que me liga ao meu Pai é o amor que ele tem por mim. Sua graça é o que me mantém viva, não minhas próprias forças ou observâncias de regras impostas por homens. 

E sabe... não há sentimento mais maravilhoso do que esse! Eu vejo e sinto Deus de uma maneira muito individual. Ele se apresenta da maneira que acha necessário. Ele me conhece melhor do ninguém! Sua graça me comove sempre e hoje me sinto mais próxima dEle, exatamente porque Deus me mostrou como é maravilhoso viver a liberdade que só Ele pode conceder. Isso não significa que eu faço o que quiser, que de boa, tudo está certo. Na verdade é bem o contrário. Jesus me constrange, eu me sinto incomodada com as minhas burradas e isso me faz seguir regras, mas nada além do que Ele diz a mim.


E assim como Paulo, não posso dizer que já tenha conquistado tudo, que já tenha encontrado o equilíbrio completo na minha vida ao lado de Jesus. Mas estou a caminho, prosseguindo para Cristo, que me alcançou de uma forma impressionante. Não me levem a mal, não me considero uma especialista no assunto, na verdade sei que entendo muito pouco, mas estou focada no alvo, para onde Deus me chama – para Jesus. Estou correndo e não vou voltar atrás.

PS: Esse texto é a resposta para uma das perguntas mais feitas por aqui; qual é a minha religião. Bem aí está. A única coisa que me religa à Jesus é o amor e a graça que Ele demonstra a cada dia.

PS2: Essa é a minha experiência e a maneira como encaro a vida ao lado de Jesus. Não quero pregar isso como o certo, se eu o fizesse estaria indo contra à algo que acredito, a liberdade que temos de escolher ao lado de Jesus. Então pessoal, não estou dizendo que é preciso largar a religião para viver com Cristo. Não! Jesus nos alcança em qualquer lugar, basta sermos sinceros. Ele é bem maior do que nosso coração ansioso e sabe direitinho como cuidar de nós.

3 comentários:

  1. Lindo o seu post!
    E é exatamente isso mesmo. Eu vejo dessa forma, e acho que hoje em dia muitas pessoas estão se deixando levar pela religião e não pelo amor, graça, liberdade, que Jesus nos dá. Criando mil regras para chegar até Ele, sendo que é uma coisa tão simples.
    E como você disse, Deus nos conhece e sabe exatamente como nós somos, e assim Ele vai falar conosco do jeito que nós vamos ver, ouvir, sentir. O que é o mais lindo de tudo isso!
    Ótimo texto! Beijos!
    http://www.deborabp.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Hadassah!
    Fui uma das pessoas que te perguntou sobre sua religião (no post que dedicou para seu pai) porque fiquei curiosa.
    Fico muito feliz quando encontro alguém que foi e é constrangido pelo amor do Senhor. Amor esse que foi capaz de entregar seu Seu filho para morrer por nós, ainda sendo inimigos dele. Amor que nos trouxe reconciliação ( como diria Marcelo Camelo: "a paz de estar em paz com Deus"), que faz com que eu peça a Ele todos os dias para viver a vida de forma que O agrade, estando junto dEle.
    Gostei muito do seu texto.
    Deus te abençoe.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais o post! Vc frequenta alguma igreja?

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário.
Só avisando que responderei a todos os comentários aqui mesmo.
E se você quiser que eu visite o seu blog, por favor avise.